Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



 

 

 

 

 

  Para desenjoar...

 

  A esmagadora maioria das pessoas não sabe que não existe qualquer efeito no clima ou em fenómenos    atmosféricos relacionados com o aumento da temperatura global do planeta. Para que fique claro, não se detecta na precipitação, não se detecta um incremento de extremos climatéricos, nem nos ciclones, tempestades tropicais, furacões …etc. -  Só o comento aqui porque este facto é reconhecido agora no relatório das nações unidas, IPCC AR5 que saiu na semana passada (o equivalente a o jornal Avante admitir que o capitalismo até resulta).

 

Aliás, devo dizer que este assunto, na actual condição (*), é um assunto objectivamente morto. A maioria das pessoas não sabe que não existiu aquecimento global nos últimos 15 anos e esse hiato não é passível de ser explicado pelos modelos climáticos onde, aliás, sempre e exclusivamente o assunto verdadeiramente existiu,  impregnado  nos meandros insondáveis dos GCM (global circulation models) e dos mais complexos AOGCMs ( junção de oceano e atmosfera - HadCM3, EdGCM, GFDL CM2.X, ARPEGE-Climat). Se o planeta está (estivesse) realmente em desequilíbrio radiactivo não se consegue então explicar como é que não se regista um aumento global da temperatura. Assim simples e agora também reconhecido no referido relatório das nações unidas. Deixo de parte as tentativas torques de se dizer que o aquecimento se está a esconder nos oceanos abaixo dos 700 metros… já nem tenho pachorra.

 

Mas isso não é o interessante.

 Interessante é como é que um assunto que nunca existiu (na prática) esteve quase a ser fulcral nas nossas vidas. Como?  Porque num mundo de esquerda isso é possível. Esse é o poder do DLPFC (dorsolateral prefrontal cortex) da esquerda. O DLPFC é responsável pelo pensamento abstracto e toda esta conversa das alterações climáticas sempre foi isso mesmo: Um problema abstracto (que não quer dizer que não seja real!).

 E para a esquerda o abstracto torna-se real, concreto e palpável. Para qualquer problema o contributo do DLPFC é a atribuição de valor abstracto.  Num exemplo caricatural uma pessoa de direita só comeria alimentos com elevado sabor que estão gravados na OFC/VMPFC e uma  pessoa de esquerda morreria à fome porque a comida tem muitas calorias e isso não é saudável. O conceito de valor de uma alimentação que não tenha muitas calorias (abstracto) é dado pela DLPFC.

 Mas quando não se alicerça essa abstracção em valor concreto ela não é verdadeiramente transcrita como expectancy outcome (lá iremos um dia).  Para tentar envolver as pessoas de direita nesta conversa do aquecimento global, os inteligentes do marketing nos grupos ambientalistas e spin doctors políticos começaram a associar eventos atmosféricos ao tal aquecimento global.  E essa conexão as pessoas de direita entendem - O  valor (negativo) de levar com um furação em cima é real e está bem registado na OFC (orbifrontal cortex)!

 O problema é que se para alguém de esquerda basta associar dois eventos abstractos e eles passam a ser reais, para as pessoas de direita não (!).  Tem mesmo que ser material. E tal como expliquei no inicio e agora “confessado” pelo próprio IPCC, não existe relação entre extremos atmosféricos e toda esta problemática das alterações climáticas). Não está nos dados.  Not in the data! E as pessoas de direita gostam muito do in the data, porque a data não tem estados de alma.

A esquerda nunca deveria ter tramado, nunca deveria ter mentido. Dizer que dentro de 50 anos o efeito do aquecimento iria ser visível nos fenómenos atmosféricos é muito mais funcional, e aceitável, para alguém de direita do que que mentir (ok, forçar a realidade até ao ridículo) e objectivamente ajuntar eventos que não existe a mais pequena das provas que estejam nesta altura associados. Um erro, porque o primeiro assemelha-se a expectency outcome  (ora , vá ao Google) que a direita computa muito bem ( na VMPFC) e não os fictive outcomes que a esquerda consegue com uma facilidade estonteante considerar como autêntico (por vezes acerta).

 

Já agora o problema científico existe. E o problema é:  Se ao adicionar CO2 à atmosfera estas moléculas vão reter infravermelhos (calor) então como irá responder o sistema climático? Que acontecerá a esses Wm2 (forcing) a mais que por aqui ficam? Para a direita aplica-se a física: Ao duplicar o conteúdo de CO2 de 280 ppm (partes por milhão) para 500ppm o planeta aquecerá 1.2C (muito bom para o planeta) para a esquerda vai suceder um conjunto de feedbacks positivos (que são fictive outcomes) sobre os tais 1.2C que farão com que o planeta em desequilíbrio radiactivo aumente a temperatura global do planeta em 3C, 4C ou 5C (muito mau). A realidade parece estar a dar (como na esmagadora maioria da vezes) razão às pessoas de direita.

 

*Com a pausa (AKA the pause) de 15 anos no aumento da temperatura e que parece estar aí para continuar, se a temperatura global do planeta não voltar a aumentar nos próximos 5 anos este assunto será esquecido com a mesma rapidez com que a SARS que nos ia matar a todos foi. E tal como SARS pode é voltar dentro de uns anos with a vengence.  O leit motiiv deste post não é se é verdadeiro o desequilíbrio radiactivo do planeta- É como cada fenótipo encara este fenómeno.

Autoria e outros dados (tags, etc)


3 comentários

Sem imagem de perfil

De Pedro Faria a 24.11.2013 às 00:42

Quando diz "que não existe qualquer efeito no clima ou em fenómenos atmosféricos relacionados com o aumento da temperatura global do planeta" e fala do AR5 esta-se a referir exactamente a quê? É que lendo apenas o sumário para Policy Makers é bastante explicito:

"Warming of the climate system is unequivocal, and since the 1950s, many of the observed changes are unprecedented over decades to millennia. The atmosphere and ocean have warmed, the amounts of snow and ice have diminished, sea level has risen, and the concentrations of greenhouse gases have increased (see Figures SPM.1, SPM.2, SPM.3 and SPM.4). {2.2, 2.4, 3.2, 3.7, 4.2–4.7, 5.2, 5.3, 5.5–5.6, 6.2, 13.2}", pg. 2 http://www.climatechange2013.org/images/uploads/WGI_AR5_SPM_brochure.pdf

mais abaixo na pg. 3 lê-se

"The globally averaged combined land and ocean surface temperature data as calculated by a linear trend, show a warming of 0.85 [0.65 to 1.06] °C3, over the period 1880 to 2012, when multiple independently produced datasets exist. The total increase between the average of the 1850–1900 period and the 2003–2012 period is 0.78 [0.72 to 0.85] °C,
based on the single longest dataset available4 (see Figure SPM.1). {2.4}".

Ah, já sei, está-se a referir a um famoso gráfico que mostra que a temperatura estabilizou nos ultimos 15 anos e que aparecem em diaris serios como o Daily Mail, e.g. esta noticia http://www.dailymail.co.uk/sciencetech/article-2217286/Global-warming-stopped-16-years-ago-reveals-Met-Office-report-quietly-released--chart-prove-it.html

Meu caro, voce nao pode ignorar toda a serie com mais de 100 anos e escolher um periodo de apenas 15 anos. Pode ler uma refutacao desse tipo de argumentos aqui http://www.theguardian.com/environment/2012/oct/16/daily-mail-global-warming-stopped-wrong e aqui em forma grafica se quiser perceber o erro que esta a fazer http://www.skepticalscience.com/pics/SkepticsvRealistsv3.gif

Mas sim, duvido que esteja interessado, porque está obcecado em tentar provar um qualquer ponto obscuro entre esquerda e direita e este post nao era sobre alteracoes climaticas (nao era mesmo)?
Imagem de perfil

De Olympus Mons a 25.11.2013 às 12:13

Viva Pedro,
Posso fazer um post a comentar o seu comentário?
Sem imagem de perfil

De Pedro Faria a 25.11.2013 às 14:43

Caro Olympus

Claro que sim!

Cumprimentos

Pedro Faria

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D


Links

Blogs