Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



A guerra entre Bayesianos e Frequentistas

por Olympus Mons, em 25.10.13

 

 

 

 Esta é para o meu amigo Bruno Marques,

 

No seguimento do post anterior esta explicação parece-me importante. Porque isto tem que estar em pedra:

 

As pessoas de direita  (pela OFC/VMPFC) necessitam de viver a avaliar o resultado do seu comportamento e os incentivos que suportam esse comportamento (incentive value of a behavioral outcome) assim como a determinar o valor de um resultado relativo, fazendo o match, com a opção que originou esse resultado (credit assignement), ou seja o que fiz eu (ou outros) e qual delas ( das actuações/regras, etc) é que depois originou então este resultado.  Depois fica registado (provavelmente na OFC) para uso posterior.

Tal como faz parte dos processos em que se sentem confortáveis comparar qual o valor de cada uma das alternativas disponíveis para escolher, essencialmente com base no seu valor subjectivo (… sem necessariamente calcular o resultado do valor expectável a dividir pelo esforço),  assim qual dessas alternativas se apresenta como a mais correta de forma subjectiva (e subjectivo não em relação a ele como pessoa mas à alternativa).  No momento em que decide isto, fica ancorado a este momento. Mesmo no futuro, qualquer avaliação de eventos voltará ao ponto em que isto foi decidido (até á próxima análise que compute outra amostra da realidade).

 

 

As pessoas de esquerda (pela ACC/DLPFC), pegam no valor expectável de determinada opção e integram essa informação , concertam, com o valor da acção que se vai tomar (que se espera tomar) para procurar qual a utilidade dessa opção. Alguém de esquerda está sempre a procurar o importância funcional, a utility.  Aliás por isso diminuem mais o valor de uma determinada opção se o esforço para a atingir for grande, continuamente calculando custo/benefício da recompensa prevista. Nesse cálculo vão incessantemente registando a história recente da escolhas e dos resultados obtidos, gerando reward prediction error,  erros na previsão das recompensas (que muitas vezes vem da OFC e VMPFC). Na esquerda esta actividade toda da ACC liga com a DLPFC que sendo onde reside a working memory  e onde são computadas uma variedade enorme de informação importante para o comportamento imediato e este é assim reajustado conforme , se quiserem, o rolling average dessa informação e conforme essa informação vai alterando assim são alteradas em conformidade as crenças e o comportamento sem verdadeiramente dar importância ao que se achava no início do processo.

 

 

Esta diferença entre modelos cognitivos é muito importante e eu deveria parar por aqui. Por isso releia os dois parágrafos anteriores antes de prosseguir e se quiser até abandone o Post e volte noutra altura:

 

Assim e por incrível que pareça, nesta esquerdização do mundo,  os terrenos onde decorrem as batalhas são dos mais incríveis que se possa imaginar. Um dos mais curiosos é o da estatística e a ascensão das lógicas Bayesianas . E esta muito famosa guerra entre Bayesianos e frequentistas é mais importante do que aquilo que se possa pensar. A lógica Bayesiana (lógica da esquerda muito baseado nos primeiros parágrafos) é muito diferente filosoficamente da lógica frequentista (lógica da direita muito baseado nos primeiros parágrafos). Bem, pelo menos eu acredito que assim seja.

 

Alguém de direita, perdão frequentista, dirá: O mundo é de uma determinada maneira mas eu não sei como é. E na verdade não te consigo dizer como o mundo é só através dos dados, porque estes são sempre finitos, com várias incongruências e eu olho para eles com desconfiança. Assim vou usar estatísticas para alinhar as alternativas e ver quais é que ficam mais ou menos fora da realidade que observo. Ser frequentista significa que só se faz afirmações sobre o mundo em si e não sobre as minhas crenças sobre ele.  São feitas apreciações sobre os dados e o seu significado, mas não sobre a hipótese (mundo) porque ela ou é, ou não é, e não está condicionada verdadeiramente aos dados (do qual se é, mais ou menos,  céptico).

 

Alguém de esquerda, perdão Bayesiano diz :  o mundo é de  uma determinada maneira mas eu não sei como é. Tudo o que tenho são estes dados aqui que são finitos e delimitados. Assim vou usar esses dados para inferir quão provável será cada um dos diferentes estados do mundo. Ser Bayesiano implica fazer afirmações sobre as minhas crenças sobre o mundo, mas não perde tempo a questionar o significado dos dados, computa e depois infere sobre a hipótese (mundo) sendo que a hipótese está toda condicionada aos dados que ele insere para computar. Quando inserir novos dados volta a computar e a olhar então para o mundo (hipótese) outra vez e o resultado que estiver presente passa a ser a sua (nova) crença.

 

Portanto , um Bayesiano dirá: provavelmente não há vida em marte. E quer dizer literalmente isto. Que ele acredita, que ele infere, que existe uma probabilidade baixa de haver vida em marte. Um frequentista só pode dizer que que os dados que usou não permitem dizer que há vida em marte. É muito diferente. Um faz apreciações sobre os dados o outro sobre a hipótese. Mas ao final do dia ou há ou não há vida em marte e esse “se há ou não há” não tem nada a ver com os dados!

 

 

Confuso? Também achei. Mas correto!

 

 

Nota: Toda a gente entende que qualquer pessoa independentemente da sua ideologia possui a capacidade de gerar qualquer dos processos cognitivos acima descritos, certo? A ideologia é meramente a escolha de em quais dos processos a pessoa se sente naturalmente mais confortável, logo que usa por default.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


4 comentários

Sem imagem de perfil

De tina a 27.10.2013 às 06:39

Tanta coisa para assimilar, a começar pela mudança de paradigma de considerar a genética tão determinante.
Imagem de perfil

De Olympus Mons a 28.10.2013 às 10:24

Bom dia Tina,
por norma considera-se que entre 40%-60% dos "trait" psicológicos de cada um de nós é genética pura. Contudo a Tina tem razão em considerar a importância do meio ambiente como se vê pelas percentagens.
Mas mantenho que se tudo correr com "normalidade" na sua vida, então irá cumprir com os desígnios da sua expressão genética...
Sem imagem de perfil

De tina a 03.11.2013 às 15:18

Gostaria de saber a sua opinião quanto ao facto de haver maior probabilidade de encontrar pessoas de esquerda entre certos extratos da sociedade do que noutros, e vice-versa, por exemplo, não se encontrará tão facilmente pessoas de esquerda entre os ricos ou entre os estudantes de ciências comparado com os de humanidades, etc.
Sem imagem de perfil

De Nunes a 25.11.2013 às 16:20

eh pá tão bom, afinal há estatística de esquerda e de direita. o que eu me ri à pala disto. brilhante!

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D


Links

Blogs