Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Parte 2 - Cães, vinho…e, pasme-se, cavalos!

por Olympus Mons, em 10.01.16

 Decore este nome – Shulaveri-Shomu… outra vez  Shulaveri-Shomu.

 

 

 

 

Se eu estiver certo, e posso não estar, e até aceito todos os graus de variabilidade dessa hipótese e, tendo eu tempo, até vou picar os gurus como Maju, ou Chad, ou Jeanl (que no mundo real tem nome no mercado cientifico) para me provar errado. Eu duvido e aposto que o consigam! – Mas, se eu estou certo que fique aqui escrito que eu disse primeiro:

 

* A ocorrência do haplogrupo dominante na europa ocidental, R1b, tem origem numa cultura muito específica do Cáucaso, denominada de Shulaveri-Shomu. Não é Yamna, não é Maikop ou Kura-araxes… não. Sítios como Kwemo-Kartli e até Mentesh tepe são a Urheimat (homeland) de todos os europeus ocidentais. E o começo milenar dessa ocidentalização genética e cultural começou na península ibérica, porque após o fim da SSC não milénios mas séculos depois R1b (M269) puros estavam a habitar a península ibérica surgindo daí depois as subclades que fizeram a europa ocidental (L11 e L51).

 

*the European dominance of Y-dna Haplogroup R1b had its origin in a very specific culture of the Caucasus the Shulaveri-Shomu, Not Yamna, nor Maikop, nor Kura arexes… no! Places like Kwemo-Kartli and Mentesh tepe are the true Urheimat (homeland) of all western Europeans. And the spread of that cultural and genetic trait started in the Iberia peninsula, because after the immediate ending of the SSC not millennia but centuries later pure r1b (M269) inhabit the peninsula making the downstream clades that populate western world (L11 and L51).

 

E para mim (e malucos há em todo o lado) é perfeitamente óbvio que assim é. E eu não tinha a mais pequena ideia há uma semana atrás. Por isso é que se for verdade… é assustador a burrice humana. Se for mentira, bem, fico em boa companhia que o que não falta é malucos e idiotas.

 

Assim,  uns dias (na verdade horas) de lógica que alimentaram o meu feeling:

 

  1. Ponto 1 da lógica : R1b Cáucaso…. Cáucaso 6 mil anos atrás… algo de altamente disruptivo, Yamna não porque são muito R1a e muito a norte e aquilo deu nos Kurgans  e em pessoal muito dado a elementos diferentes de nós, como a panca de machados de guerra e a enterrar as pessoas de barriga para cima em Kurgans.  Maikop era já muito tarde… por isso não levei muito tempo a dar nos Shulaveri-Shomu do sul do Cáucaso, daquilo que hoje é o sul da Geórgia e Arménia! – Não existe continuidade da cultura anterior e com muitas dúvidas arqueólogos aceitam alguma (pouca) transição para a cultura seguinte. Tal como os R1b são um mistério, também a shulaveri-shomu o são porque desapareceram de repente – Cá estavam eles. Pronto para mim, resolvi o maior mistério na atualidade histórica (irónico!) – A origem dos R1b que formam os europeus ocidentais de hoje.

 

  1. Ponto 2 da lógica: Que tinha esta cultura de relevante? – Eu parti da conversa do vinho e do facto do instituto de agronomia acreditar que a vinicultura teve lugar em Portugal (vi bocado de artigo no Publico de 2010!) e rapidamente descobri que os SS inventaram o vinho (vinhas) e dedicavam-se à agricultura e pastorícia (cães) e eu discutia com Maju que o nosso serra da estrela era muito perto geneticamente do pastor do Cáucaso e depois fui dar á cereja no topo do bolo que foi os cavalos.

 

Nota: não resisto a contar algo. Faz pouco mais de um ano estava a almoçar com um amigo em lisboa e um senhor de idade, distinto, sentou-se na mesa ao lado. O sorriso dele levou a que fala-se-mos da cor do vinho dele. E ele ofereceu para provar. E ele a dado passo começa a falar de castas e mencionava o Cáucaso. A conversa desviou mas ficou algo no meu cérebro que me perseguiu durante um ano.

 

 

  1. Ponto 3 da lógica: Mas porque abandonariam o local? Ora a seguir a eles vieram os Kura – Araxes e esta cultura era muito diferente da Shulaveri-Shomu … e houve uma cultura de transição, a cultura dos Sioni mas que era abruptamente diferente (palavra será abrupto) e quem ler o documento a1 percebe que há 6-5 mil atrás aquela foi uma região de transição brutal de culturas. Por um lado, a norte, os Yamna formavam-se e eram de um haplogrupo genético diferente (R1a) e claramente demonstravam outras vidas, cresciam a sul os de Urak que também seriam de haplogrupos masculinos J, j2, g2a, e eles os shulevari (R1b), que estavam no meio, terão sido Sionizados para não dizer uma palavra mais feia. A sul começava o período Ubaid verdadeiramente intempestivo, com o que levou ao surgimento da suméria e a mesopotâmia e no explodir da civilização, a norte mais tarde apareceram os Maikop e no entretanto, a meio, após um período que poderá ter sido mais ou menos longo, os Kura-Araxes que tão diferentes eram dos Shulaveri -r1b, cavaleiros bebedores de vinho e na verdade os terão sido permutados de todo ali.

 

  1. Ponto de lógica 4: Qualquer que tenha sido a razão e seja de que modo for, Foi uma diáspora que deve ter durado muito tempo. Nesta altura estávamos no Holoceno médio, onde as temperaturas eram bem mais altas que hoje em dia. Estava a fervilhar tudo a norte do Cáucaso e por isso ir por ali era impossível logo foram para oeste para a Turquia (anatólia) não vejo por isso onde mais poderiam ter ido. E talvez pro isso o primeiro grupo de deixaram para trás foram os que mais tarde deram nos Hititas (como já escrevi). Para mim faz sentido. Quem olhe para um mapa percebe e se conhecer então a história Hitita…E tambem para sul passando entre os rios tigre e eufrades mas ficando por ali como nomadas.

 

  1. Ponto de lógica 5 : deviam ser muitos. E não acreditei que um povo bebedor de vinho cavaleiro e pastor começasse rapidamente e em força a fazer barcos na anatólia e a viajar pelo mediterrâneo. Logo vieram, nómadas, fugindo para um sítio onde pudessem ir a cavalo, com os cães e gado. Por isso no início apontei para o norte de Africa que na altura era verde e produtivo. Claro que não faço ideia se vieram pelas Balcãs e Itália, ou se pelo norte de Africa. Eu apostava como escrevia nos post iniciais pelo norte de Africa. O norte de Africa tem espalhadas pontas de setas com a forma que depois os bell beaker usavam e que até eram da mesma forma que as setas de obsidiana (rocha vulcânica tipo vidrada) dos shulaveri-Shomu, e será uma acaso que as que foi não muito tempo depois que apareciam os antigos egípcios com representação de cães mastiff ?ou que tutankhamun  era r1b?  ou que os r1b-v88 do Chad e camarões desceram  ali pela Líbia…Mas isto já é diversificar demasiado a história aqui.

 

  1. Ponto de lógica 6: Como se caracterizaria essa massa de pessoas? – Homens. A primeira coisa que me assolou foi homens, muitos homens, cavalos, gado e cães. Não acredito que essa diáspora levasse muitas mulheres.  Acho mesmo que estes cavaleiros devem ter criado muitos problemas por causa disso... 

 

 

Foi assim que cheguei a esta teoria:

Sim! – Estou a dizer que os Shulaveri-Shomu, cultura neolítica, são os pais ancestrais dos R1b que colonizaram a europa. Posso estar completamente errado e não quero convencer ninguém. Escrevo isto porque pela lógica acima descrita me parece tão lógico, tão lógico que assim é que até me assusta. E sei o suficiente sobre o assunto para saber que nesta altura não existe nenhum antropologista que me prove errado. O que não quer dizer que eu esteja certo. Somente que é integro o que escrevi. E se no futuro surgir esta teoria, ou descobertas futuras impulsionarem para aí, quero que se saiba que este assunto (a procura mais fina da origem dos R1b) me levou uma semana. Aí deles todos se algum dia se provar que eu estou certo.

 

A minha história é, e para que fique escrito, descrita assim:

 

R1b antecessores dos europeus ocidentais eram as pessoas da cultura Shulaveri-Shomu no sul da Geórgia e arménia. Eram altos e braquicéfalos. Agricultores e pastores e cavaleiros. Por alguma razão, seja por causa de alterações climáticas, ou porque não se deram bem com os fenómenos subjacentes à emergência de algumas culturas que claramente são proto civilizacionais tanto a sul (Uruk e Sioni) como a norte (Maikop e Yamna) abandonaram subitamente a sua região e entraram numa diáspora nómade. Claro que ficaram vários R1b na região, e claro que foram deixando bolsas de pessoas com a sua genética na anatólia (que mais tarde deram em Hititas), e claramente ficaram na região mais a sul do crescente fértil, em muito contribuindo para o aparecimento dos sumérios (eram um dos povos que fundou sumer) e eram claramente os habitantes da cidade de Ur, e que depois se transformam nos Assírios (40% de frequência de R1b), etc, etc.

Estou a dizer que os Shulaveri-Shomu eram Rb1-M269  (mutação antiga, anterior a mutações posteriores, e a aquela que é avô dos europeus)  e que após o seu fim vamos encontrar em Portugal, séculos depois e não milénios, R1b-M269 puros ficando assim claro o que digo que depois sofreram as mutações de L11 e talvez a L51 e por aí a adiante espanhando R1b através dos bell beaker a partir de Lisboa e na sua maior representação que é a Civilização VNSP(deviam arranjar um nome mais bonito).

 

Não faço ideia do que originou esta debandada e loucura de um povo que era muito neolítico e até bastante sedentário. Se calhar os 32 corpos numa única supulturaque se encontrou num dos povoados, o de Mentesh tepe, nos dê respostas (será que eram todos dos sexo feminino?) mas estes abandoaram o local de forma abrupta. Eram claramente diferentes dos outros, eram altos branquicéfalos, barbudos e em cima dos seus cavalos (turpans), com os seus enormes cães (mastiffs) e gado e bebedores de vinho, armados de arcos e flechas que na certa devem ter provocado muito medo e terror nos sítios por onde passavam. Não quero ir por aí, mas de certeza muitos mitos dos livros antigos, inclusive a bíblia, devem ter origem nesta serpente de gente, cavalos, gado e cães que se moviam apressadamente para algum lado.

Tenho a certeza que os primeiros a chegar à península vieram pelo norte de Africa e há algo como 5,5 mil anos atrás. Foi nessa altura que em Portugal passou-se de utensílios completamente descaracterizados e podre abundancia de liticos para muitos achados arqueológicos de Cerâmica, facas e setas, muitas setas, muitas e muitas. Tal como o norte de africa está apinhado dessas mesmas setas….

Querem uma aposta da razão porque vieram para cá tão rápido? – Porque ouviram falar de uma terra prometida lá para o oeste (pela voz de agricultores do neolítico) que tinha muitas vinhas selvagens, muitas, muitas como nunca visto... e cavalos, não pequenos como os seus Turpans mas grandes, rápidos e doceis… E isso provo num post a seguir porque foi por aí que tudo começou para mim!

 

E isto que fique claro: Um dia a genetica vai conseguir extrair material de amostras antropologicas suficiente para demonstrar este axioma muito simples: Vai-se encontrar R1b M269 puros em Portugal datando de há 5,500 atrás  e só depois se verificou as ocorrencias de mutações L11, L51, etc (que são posteriores a essa data). 

 

Papers que encontrei e li:

http://www.science.org.ge/moambe/6-2/153-161%20Pitskhelauri.pdf)

http://www.persee.fr/docAsPDF/paleo_0153-9345_2008_num_34_2_5258.pdf

https://www.researchgate.net/.../273789666_Mentesh_Tepe_an_early_settlements

 

Mas a seguir vou então explicar os cães, vinho e cavalos.

Autoria e outros dados (tags, etc)


5 comentários

Sem imagem de perfil

De ze laranja a 11.01.2016 às 00:10

muito bem! descobriu o enigma! a tese tem lógica. é preciso fazer mais testes adn aos portugueses. em vez de se terem gasto 2.000 milhoes no banif dava perfeitamente por a populaçao portuguesa a fazer testes adn, ficando um riquissimo acervo para investigação.
Imagem de perfil

De Olympus Mons a 11.01.2016 às 15:57

Olá.
Não é aos portugueses de hoje. Tem é que se pagar aos maiores especialistas internacionais de genética arqueológica que o façam a todos as ossadas que por aí se vai desenterrando, especialmente no site de perdigoes que estão no tempo correcto ... e Já o estão ao fazer na verdade.. mas pago por estrangeiros. Cá o pouco dinheiro da cultura vai para grandes obras teatrais como os monólogos da vagina e coisa afins.
Sem imagem de perfil

De Beakerblog a 11.01.2016 às 17:02

Fantastic post. I believe you are very close on the genetic question.
Imagem de perfil

De Olympus Mons a 11.01.2016 às 17:55

Hey there,
I think so. It’s not just to say that they came from de Caucasus. That is too vague. It’s really narrowing it down to a specific culture. It implies that the end of SSC saw a few centuries later the arrival of those R1b in Iberia. I am starting to be even more convinced. SSC culture and some particular traits that you see in Perdigoes site just 500 year later…
We will see. :-)
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 13.01.2016 às 16:29

Caramba.. muito bem.. mas olhe que há quem também se dedique a tentar resolver este tipo de enigmas... mesmo aqui na blogosfera (tente fazer uma pesquisa... ;-) )... mas afasta-se um pouco da sua teoria...
Voltando ao post... será que as ditas "mães africanas" presentes no nosso ADN tenham vindo para cá com esses R1b?

Maria Rebelo

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D


Links

Blogs