Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Junkies

por Olympus Mons, em 05.01.16

 

 

Dizia à dias Jonathan Haidt que um Libertarian não passa de um Liberal que foi assaltado, que foi  Mugged, pela realidade.

Não deixa de ser verdade. Muitas vezes os libertarian, que tanto se lê por exemplo no Insurgente, não passam em alguns dos casos de pessoas mais próximas do bloco de esquerda na perceção dos cânones sociais mas sem toda a tónica na sensibilidade do harm/care e do Fairness/reciprocity ou equality.

 

Veio me isto à memória porque há dias li o recente estudo de Van de vyer et al How the

July 7, 2005, London Bombings Affected Liberals’ Moral Foundations and Prejudice.

 

O estudo é curioso porque tendo acesso a questionários de cerca de 2500 pessoas no reino unido demonstra com uma clareza impressionante como, após um atentado (no caso o de londres), as posições politico-morais de pessoas de extrema-esquerda (liberals) ficam exatamente iguais às das pessoas de direita. Que curiosamente não se alteram em nada. Após um atentado as pessoas de esquerda tem valores de cânones morais descritivos iguais às pessoas de direita, tem o mesmo endorsement de in-group que as pessoas de direita sempre tiveram, a mesma posição de fairness Foundation nas atitudes politicas e até a atitude e preconceito para com muçulmanos.

Mas talvez o mais incrível é que a posição das pessoas de direita não muda. Em nenhuma das barras. A sua posição matem-se exatamente igual antes e depois de um atentado.

 

Eric kaufman já nos tinha demonstrado que as pessoas de extrema-esquerda são as que mais endorsement dão por exemplo à multiculturalidade mas curiosamente são as primeiras a abandonar o bairro quando essa multiculturalidade chega com a carrinha das mudanças ao sítio onde vivem.

Agora percebemos todo o postering moral que a esquerda gosta de se intoxicar com (endorfinas, ou seja opiáceo endógeno) não passa de incapacidade de avaliar a realidade. Mas tal como no caso da multiculturalidade, quando esta realidade lhe bate à porta acordam de maneira estrondosa.

 

Fica a pergunta. Se a esquerda não passa da direita vivendo numa bolha de ilusão com o intuito de se auto endorfinizar… porque lhes damos tanta atenção nas sociedades modernas?

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

O xenofobismo/racismo da direita

por Olympus Mons, em 02.10.13

 

Convém tirar do caminho algumas pedras. Vamos começar pela direita. O estereótipo é: racista/xenófobo.

As pessoas ideologicamente de direita são conservadoras e como tal apegadas às características do seu próprio grupo.  Contudo o racismo/xenofobismo  das pessoas de direita é por estereótipo (Schreiber et al). Na verdade os “racistasde direita não ligam mesmo nada à raça da pessoa. Ligam ao estereótipo que é construído sobre a mesma. A partir do momento em que determinada pessoa, independentemente da sua raça, é contextualizada fora do seu estereótipo não é registada recrutamento da amygdala e redução da actividade no Medial prefrontal cortex. Todo o driver deste comportamento se centra na instintiva aversão que estas pessoas têm ao norm violations. Aliás estudos anteriores já tinham registado a curiosidade de em experiencias com doação de verbas as pessoas de esquerda manifestarem um maior racismo do que as pessoas de direita. É que a amygdala não é activada pela raça é activada pela percepção de ameaça. E isto é importante porque entender alguém de direita é entender essa aversão natural que estas têm ao Norm violation, não exactamente ao outro. Ou seja racismo/xenofobismo da direita não tem nada a ver com a cor da pele, naturalidade, ou outra forma de identificação, visto a reacção neurológica  ocorrer na mesma forma e medida mesmo que a pessoa identificada com a violação da norma tenha a característica racial, ou outra, igual a quem faz o julgamento.

 A redução drástica da actividade na Medial prefrontal cortex (debaixo do VMPFC), necessária à desumanização de quem é percepcionado como outcast não ocorre de todo correlacionado à raça mas sim a essa violação das normas sociais. Não deixa de ser curioso que o conselho que se deveria dar a alguém de, por exemplo, raça diferente do grupo dominante deveria ser o que de não actuar de acordo com o estereótipo que lhe está associado mas sim fazer um esforço para respeitar as normas pelas quais esse grupo dominante vive e morre, e ao invés aquilo que se vê incentivado pela esquerda é para que se relativize ao máximo as referidas regras tendo em consideração as características (regras) intrínsecas a esse (s)  grupo (s) minoritário (s).

E isto é importante porque a violação das normas está no centro da necessidade de qualquer forma de governação. Daí que este mecanismo seja essencial para a existência das civilizações. 

Assim já se entende que não é por mero acaso que instintivamente a esquerda procura por todos os meios destruir os estereótipos. A destruição dos estereótipos pode muito bem representar a destruição dos mecanismos que sustentam qualquer sociedade (existente) e se a adição de pessoas de características diferentes num grupo dominante só é pacífica com a imposição inexorável do cumprimento das referidas regras sociais que fazem com que todos sejamos iguais (aparentemente assim é, para as pessoas de direita pelo menos), que pretende a esquerda? Que pretende este fenótipo de pessoas que só se sente verdadeiramente atingido se as pessoas que originam o comportamento adversativo para consigo forem da mesma raça (estranho) e não se forem de raça diferente? Serão as pessoas ideais para liderar as mudanças?

 

Pode-se legitimamente argumentar que os estereótipos são uma forma errada de caracterizar qualquer grupo… mas aí não se entenderá porque as pessoas de raça negra tem exactamente a mesma reacção de threat reaction perante pessoas da sua raça (lieberman et al) e não o têm perante pessoas de raça caucasiana.

Pode-se legitimamente argumentar que a descaracterização de qualquer grupo minoritário em favor de regras que lhe são exógenas é uma agressão… Mas aí tem que se se entender que o não cumprimento das regras sociais também é uma agressão para com, pelo menos, uma parte considerável da população residente. - E agora? Até que ponto se vai criminalizar as pessoas que manifestem opiniões racistas?

 

Everyones A Little Bit Racist

Autoria e outros dados (tags, etc)


Mais sobre mim

foto do autor


Posts mais comentados


Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D


Links

Blogs