Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



A mentira da verdade

por Olympus Mons, em 02.12.21

Estava no carro, no outro dia, e ouvia na radio Observador um programa sobre alterações climáticas. Penso que o programa se chama Convidado Extra e apresentava nessa noite Filipe Duarte Santos como “…catedrático e investigador, é provavelmente o nosso maior especialista no tema” . - Penso que sempre que alguém quer apresentar uma autoridade no assunto e Portugal muito dificilmente fugirá deste personagem.

Ouvia filipe Santos, ouvia os entrevistadores numa excitação muito típica das novas gerações entediadas com o mundo.... e muito do que diziam era mentira, ou parcialmente mentira ou perspetivas juvenis de insustentáveis sobre factos.

A parte em que me prendi era todos eles, todos, Filipe e entrevistadores falavam sobre o impacto das alterações climáticas na atualidade nos atuais estados metereológicos a cada estação. Filipe e os entrevistadores falavam dos furacões, falavam de secas e cheias, falavam de fenómenos extremos que já impactavam o planeta… e no entanto é algo que não existe. – N Ã O E X I S T E!  o facto de não existir, não é uma questão de opinião. É… Não existe!

Para abordar este aspeto das alterações climáticas eu gosto de fazer o seguinte argumento:

Para demonstrar, ou provar, este ponto, basta ler o AR, o assessment Report do IPCC , o ultimo saído há poucos meses, o AR6 (mas também pode usar o AR5 de há 6 anos que dizia o mesmo). Aliás, eu já escrevi sobre isso mesmo mas noto que estas coisas tem que ser repetidas porque por vezes sinto a realidade a esfumar-se, como se vivêssemos numa Twilight zone qualquer.  Para alguém que tem dúvidas sobre a honestidade de quem tem produzido e liderado tanto a ciência por detrás desta questão como estruturado as respostas política, citar o AR6 é o equivalente a entrar numa discussão sobre economia e só ser permitido citar o jornal avante! do Partido comunista sobre o tema… E mesmo assim, basta ler o AR e reproduzir o que lá está escrito preto no branco para perceber que não, não existe realmente impacto das alterações climáticas nos fenómenos meteorológicos.  Não nos fenómenos e eventos que ouvimos estas pessoas aqui referenciar. De todo. Como já mostrei num post anterior, o único fenómeno meteorológico que o AR afirma com certeza que existe deteção e atribuição é nas vagas de calor, que curiosamente como também significa que as vagas de frio tem diminuído e estas matam muito mais gente o saldo é positivo em 300 mil pessoas. Impressionante, não é?
Nos fenómenos que as pessoas gostam de referenciar como furacões, tornados, secas, cheias… a resposta da ciência é zero! Zero.  50/50 de probabilidade de que existe precipitação mais intensa (que o próprio capítulo refere que não é necessariamente mau) o resto é nada. 

O mais curioso é que qualquer perito nestas áreas digno do nome vos dirá que não só  não há impacto como que não era previsível haver (!). Sim, mesmo assumindo os pressupostos de desequilíbrio radiativo do planeta esse impacto nos fenómenos meteorológicos só deverão ser sentidos a partir da segunda metade do século.

Mas então, porque “cientistas” como Filipe Duarte, conseguem fazer programas que se dizem científicos em que afirmam coisas que as suas bíblias, o ARs, dizem não ser verdade?
Como se consegue justificar uma coisa destas???

E jornalistas que se dizem peritos sobre o tema não leem um documento como o AR? Não leem o documento mais importante produzido pelo IPCC?

Não me passa pela cabeça que Filipe Duarte Santos, o grande climatologista português não conheça os factos a que aludi acima. Não me passa sequer pela cabeça… Então o que leva esta gente a mentir?

Autoria e outros dados (tags, etc)


5 comentários

Perfil Facebook

De Manuel Galvão a 02.12.2021 às 19:56

O Reino Unido, a França, os EUA, têm que começar a vender centrais nucleares de baixa potência. Única forma de haver uma transição energética da energia fóssil para a energia elétrica.

A produção em série dessas centrais está pronta para arrancar. É preciso preparar os potencias clientes para perderem os preconceitos que ainda tenham com a energia atómica para fins pacíficos.

A questão repete-se na História. Quando foi da transição do carvão para o petróleo foi preciso fazer uma guerra, para que os detentores da tecnologia associada ao petróleo ficassem a dominar as reservas de petróleo. Hoje, assistimos à guerra para a posse das terras raras. Talvez tenhamos mais uma guerra mundial a decidir quem ganha...
Imagem de perfil

De Olympus Mons a 03.12.2021 às 10:40

Manuel... ao final do dia, toda e qualquer forma de energia que permita fazer a transiçao dos hidrocarbonetos para outra forma de energia que permita simultaneamente manter esta bolha criada pelo CO2 que protege 6 mil milhões de pessoas é boa.
Muita gente nao percebe que o problema é a mentira. Não é o facto de tudo o que está a ser feito com a desculpa das alterações climática vai acabar por ser muito positivo. Vamos manter a bolha e deixamos de depender de uma forma de energia que e finita.
Sem imagem de perfil

De Rui Silva a 03.12.2021 às 15:56

Boas caro Olympos, seria possivel colocar aqui o link directo para o AR6. Obrigado
Rui Silva
Sem imagem de perfil

De Rui Silva a 07.12.2021 às 17:17

Obg caro Olympus
R.S.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D


Links

Blogs