Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



As marcas que ficam!

por Olympus Mons, em 21.07.21

É mais fácil de perceber olhando para o mapa de cima, central.  As regiões a amarelo/laranja são as regiões que não sentem um attach emocional com o seu país. Lá está a Andaluzia ou a Catalunha do costume. Enfim.  
Lá estão os Bascos que estranhamente não tem attachment a nada. Nem ao país, nem à sua região, nem à Europa.  – Estão fartos de tudo e todos.

Não posso falar das outras pessoas, mas para mim traz-me um sorriso olhar para este mapa do estudo feito pela UE.

Os Corsos são corsos e mais nada. Ao contrário do resto da Europa eles mantiveram muito a sua matriz EEF (Eearly Eastern farmers) do neolítico e não tiveram a última componente das estepes da Ucrânia (Yamnaya) no seu DNA. Aliás tal como os Bascos um computador ao criar um PCA analisys coloco-as distantes dos restantes europeus e no sentido inverso à aproximação ao médio oriente que é um cline natural dos europeus… São mesmo únicos. Fica-me, pois, a sensação de que diferenças genéticas de 4000 anos definem ainda hoje a cultura e o sentir destas populações?

Os Galegos como já sabemos são portugueses e mais nada. O fst (fixation index) entre portugueses e Galelos é tao pequeno que novamente qualquer análise do DNA não nos consegue mesmo destingir e juntar-nos como do mesmo grupo.

Curiosidade da Bretanha ou a Aquitânia também não têm attachment à França. - Dois sítios em que a componente WHG (western Hunter Gatheres) dos caçadores recolectores europeus originais ( os tais escurinhos de olhos azuis) é muito alta, até muito tarde (como notado pelos romanos) tinham um língua própria e tal como Portugal um sitio onde o número de R1b-P312 (sem os filhos L21,S28,DF..) é muito elevado, ou seja, descendentes diretos do avô sem ter as mutações dos filhos.

Vale de Aosta e por ali acima pela Alemanha da Baviera e thuringia. Um dos sítios icónicos dos Bell Beakers (os pais de toda a Europa) terá mantido essa sua identidade e também dos sítios na Alemanha com maior número de homens descendentes dos R1b.

É só uma curiosidade o modo como olho para este mapa, mas suscita uma pergunta a quem acha que diversidade demográfica é uma coisa boa. Será?
Estas regiões tiveram diferenças genéticas e culturais que se iniciaram há mais de 4000 anos e ainda hoje lutam por se identificarem com os países onde estão inseridos.

Não suscita a ninguém perguntas se ao promover a introdução de pessoas de matrix genética-cultural muito dispare não irá criar clivagens brutais nas identidades de um país? – Ou seja o fim do capital social que é outra forma de dizer o fim do país.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D


Links

Blogs