Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Cowboys

por Olympus Mons, em 05.05.21

Ao conversar com um amigo, reparei na incredulidade dele quando eu lhe disse que os Estados Unidos nos últimos 30 anos “ganharam” 100 milhões de pessoas em população, passando de 230 milhões de pessoas para 330 milhões de pessoas. E esses 100 Milhões de pessoas eram culturalmente diferentes dos que por lá viveram antes.

Num mundo em que se morre de medo de ser acusado de racista ou xenófobo ou outra coisa qualquer do género não é surpreendente que isto tudo ocorra e nem se consiga ter uma conversa factual sobre o facto em questão.

O que era óbvio aconteceu! - Com esse aumento de população num curto espaço de tempo os EUA deixaram de ser os EUA. Isto é um facto. Não quer dizer que tenha algo de “mal” ou “bem”, simplesmente significa que algo de diferente vai ocorrer e, mais importante, está a ocorrer e é isso que nos entra pelos portáteis ou televisores a dentro especialmente nos últimos 10 anos onde essa mutação cultural se materializou. Nada de estranho ou anormal. Estava nos livros.

Deixando claro: A AMERICA, a 'Merica, enquanto matriz ou identidade já não existe. Como facto é algo muito simples de perceber – Culturalmente ou identitáriamente os EUA foram uma versão da Europa criado por Alemães e Irlandeses. Facto poucas vezes mencionado é que essa imigração constante para os EUA para quem observe os 200 de imigração repara que o nome constante é a Alemanha. Sempre no top 3 de países de origem oscilando entre o primeiro e segundo lugar e com a entrada do século XX a adição da Itália a esse trio do topo. Só a partir dos anos 70 é que a Alemanha desaparece do trio do topo sendo substituído pelo México no topo.  Desde essa altura que a imigração (e acentuado a partir dos anos 90) que a América optou por se transformar ao escolher importar pessoas do México e Ásia em detrimento de Europeus. Intencionalmente.

Não vou entrar por explicações culturais do significado do protestantismos, quase luteranismo, blablabla que já toda a gente sabe. Mas que fique claro que a AMÉRICA foi criada por esta gente, essa gente da república da revolução francesa, dos pilgrims e da constituição acima de tudo -  Que significa isso? Que a Make América Great Again é a pretensão de parte da população (acredito que maioritariamente branca) voltar a essa América que já não existe. E quando os EUA manifestam tensões enormes sobre as sua introceptividade racial não é saído do nada. 

 A AMÉRICA é essa nação feita por brancos europeus. Não é outra coisa. Eles não são maluquinhos – esses 100 milhões de habitantes em 30 anos fez com que a percentagem de brancos europeus nos EUA passassem de 87% para 60%. Por isso a América rejeita-se a si própria como matriz europeia branca. Porque já não o é. A partir de meados deste século essa população branca será uma minoria nos EUA. Como é no México (40%) no Brasil, Bolívia, Chile…. Ou seja está em curso a Sul Americanização dos EUA.   

Um dos outros fenómenos que raramente se refere é que tanto quanto eu consegui ler na literatura cientifica sobre a matéria, desde Robert D. Putnam que se sabe que quando passas os 5% de diversity  a velocidade a que o capital social naquela comunidade se destrói é impressionante. Passas os 20% de Diversity e esquece o que eras porque já não tens hipótese de continuar a ser. Isso foi programaticamente decidido e foi opção consciente dos EUA (não sei porquê) logo aquilo que se assiste é nada mais do que o guião de como um pais se destrói enquanto identidade. E para nascer algo de novo algo tem que morrer. Os EUA (não sei quem nem como) optaram por se suicidar para permitir o nascimento de algo de novo. Ok. Seja.

Pode parecer para quem leia este texto e olhe mais para a sua própria visão do mundo do que para o que escrevo, que existe um lamento neste meu texto… humm, não necessáriamente.  As coisas são como são.  -  O interessante para mim, que assisti (li) à queda de culturas, civilizações e impérios, é que como é óbvio nunca lá estive quando essa implosão aconteceu. Contudo, e provavelmente no caso dos EUA, vou conseguir observar o processo da queda como aconteceu com Mesoptamia, Akkadia, Minoan, Hititas, Egipcios, Grécia, Roma…

Autoria e outros dados (tags, etc)


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D


Links

Blogs