Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Mentes iguais

por Olympus Mons, em 11.06.22

Estive em Angola durante a semana. Duas coisas me surpreenderam. A primeira é a quase completa ausência de Portugueses no país. No passado recente aquilo teria mais de 200.000 portugueses e é surpreendente que agora haja uma relativa quase total ausência de portugueses em Luanda. Tanta que por várias vezes, demasiadas, se dirigiam a mim em Inglês ao invés de assumir que eu era Português. 

 Almoce na ilha de Luanda, nos hotéis ou vá à barra do kuanza e não estão lá.  Veja um jogo da seleção portuguesa e estará sozinho. Vi chineses, sul africanos, espanhóis, etc. Portugueses nem por isso. Peculiar.

Outra das coisas, das tais que me surpreenderam e tão surpreendente como a escolha da imagem deste post, é que falei com as tais pessoas da oligarquia Angola, seja da velha seja da nova e uma das coisas que me perturbou, que me intrigou e ficou a tinir no cérebro é que, esta elite, hiper-rica, tem a mesma linguagem, quase chapa 7, das pessoas do bloco de esquerda ou do partido comunista em Portugal.
Tal como uma Mariana Mortágua aquela gente da elite, volto a dizer riquíssima! e priviligiada, adora falar do povo e acha mesmo que é o representante das aspirações e do destino moral do tal referido (a toda a hora) povo. Para quem assista é bizarro.

 Em cada 3 frases, duas são o povo (a outra dinheiro) e para alguém como eu, durante largos momentos, ficou-me uma dissonância relativo ao que assistia.- Até que consegui identificar que era precisamente a semelhança entre a conversa, a tanga e narrativa subjacente ao que ouvia e a conversa que em Portugal oiço do Bloco de esquerda. Tudo é em nome do povo. Isto tem que ser assistido ao vivo para se acreditar.

Com tanto ódio que por exemplo o Bloco de esquerda manifestou ao longo dos anos  para com aquela gente, não deixa de ser surpreendente que se pessoas como Francisco Louça ou Mariana Mortágua se sentassem a conversar com os tais terríveis oligarcas angolanos sem a identificação de uns e de outros, falariam exatamente a mesma língua assumindo sempre que querem o bem do povo e que são os genuínos representantes dos mesmos. Mentes iguais, almas gémea, suponho.

Cada vez me convenço mais que as pessoas se resumem a pathways neuronais que definem a sua visão do mundo e que alguns desses pathways podem ser considerados verdadeiras deficiências.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2020
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2019
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2018
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2017
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2016
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2015
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2014
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2013
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D


Links

Blogs