Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Ovelhas e cabras.

por Olympus Mons, em 14.04.22

Bear with me, neste post.

 

Curiosamente vou voltar a falar da Rússia, da Ucrânia e até da região do Donbas. Estão a ver na imagem o rio Don? É daí o nome da região do DonBas relacionado com os rios Don, Donets e lower Dnieper.

Vou falar desta região… mas há 6 mil anos. Porque esta região é crucial para se entender a etnogéneses dos europeus. E por isso sempre tão contenciosa em algumas das discussões que ocorrem sobre aspectos cruciais ao entendimento do passado.

Este paper, perdido na irrelevância da área, arqeo-genética, deixou-me o coração a saltar durante uns minutos.

Capture dairy caucasus.PNG

Link:https://www.nature.com/articles/s41559-022-01701-6


Nem sei bem como explicar isto sem maçar meio mundo. Vou tentar:

Eu acredito na importância dos Shulaveri-Shomu na ethnogenesis dos europeus. Acredito eu e poucos mais, pese embora cada vez mais outros se juntem, mas se provar que eu estou correto, serei eu, só eu, o rei dos Shulaveri-Shomu! Não aceitarei partilhar louros porque lutei sozinho.

A minha guerra sempre foi com os estepistas. Os steppists da steppe theory. E pese embora para explicar a origem dos europeus eu recorra a eles, lembrem-se quando falo da componente genética Yamnaya dos europeus, que era dali, mesmo dali onde agora se vai travar os mais brutais combates naquela zona do leste da Ucrânia. Não deixa de ser curioso que uma das características da sociedade Yamnaya, que era patriarcal e de clã, era precisamente que era bastante violenta. 

Dentro desta área de interesse existe realmente alguns personagens que por vezes ficamos na dúvida se não serão mesmo, não direi nazis, mas que encaram esta região como pivot á formação genética dos europeus e por vezes não se sabe bem como se argumentar…
Mas uma das coisas que este pessoal tem verdadeiramente aversão é ao conceito que a formação das estepes e da componente genética, aquela mistura entre CHG e EHG que no fundo com um pouco de EEF forma essa componente que ao entrar na europa durante a idade do cobre fechou o ciclo genético dos europeus. E Sim, quando o deputado do CHEGA fala em caucasianos é esta componente do CHG (caucasus Hunter gatherer) que define, digamos, a modernidade da genética dos europeus e custa ouvir pessoas como a dra Luísa Pereira, das poucas pessoa que se operam nesta área em Portugal fazer-se de parva e fingir que não percebe o que é ser caucasiano, dá dó.

Mas, dizia eu, dizer a estepistas que existiram populações do sul do Cáucaso, Shulaveri-Shomu, que participaram na formação das estepes ao desaparecer do sul do Cáucaso em 5000 BC, que na verdade já falavam PIE (proto-Indo European) porque todas as palavras de origem já praticamente existiam no seu modo de vida, que a componente genética e até, como eu defendia (agora tenho algumas dúvidas) que eram os R1B-L23, que seria algo como “pai” do L51 de que descendem 80% dos europeus (sim, um único homem)… é leva-los a explodir em raiva.
E se eu fui alvo dessa raiva.

 No entanto, aos poucos, vão saindo pequenos detalhes que me dão alguma razão ou pelo menos mantém viva a minha hipótese que os Shulaveri-Shomu fizeram parte dessa etnogénese dos pastoralistas (cowboys) que mais tarde com os seus cavalos dominaram a europa.

Este paper, analisando as espécies de pastorícia diz isso mesmo, em estudos que usam  dental calculus proteomes, para procurar proteínas do leite que depois podem ser identificados .
O Paper afirma que o pastoralismo migrou do sul do Cáucaso para as aquelas zonas, assim como na parte norte do Cáucaso. Das primeiras sociedades ao norte do caucaso, ali nas regiões ao redor do mar de Azov, foram das primeiras, milhares de anos mais tarde que a sul, mostrar agricultura e pastorícia.
As ovelhas e cabras não fugiram para ali. Se as ovelhas e cabras foram então foram pessoas com eles.

O paper por vezes é ambíguo, porque apesar de afirmar que é do sul do Cáucaso também coloca num parágrafo a possibilidade de vir das culturas da Hungria, polónia… Enfim. No geral confirma que essas espécies ( e pessoas) atravessaram do sul para o norte do Cáucaso e…surgiu depois os Yamnaya.  

O tempo o dirá.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D


Links

Blogs