Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Perdedores....

por Olympus Mons, em 18.01.22

O que esta imagem nos mostra é que o futuro seria de homens brancos e mulheres asiáticas.

Capture dating (1).PNG

Fosse o futuro assim adivinhável.

Esta imagem é de um estudo de 2013, sobre preferências das pessoas que vão às dating apps com o Tinder ou Facebook, etc. Gostava de saber se e até que ponto isto ainda é uma realidade em 2020. Desde essa altura que muito esforço foi feito para mudar algumas destas variáveis. Mas mesmo assim, pelo que li, muitas destas apps passaram a proibir filtros por raça. Contudo estudos mais recentes que este de 2013 reportam essencialmente que as preferências ali reportadas eram ainda a norma.

Presentemente quando vemos um conteúdo, um filme, uma série, uma anúncio de tv vemos muita interracialidade mas não é propriamente esta do homem branco com a mulher asiática. - Nos idos anos 90, era eu um miúdo, lembro-me numas férias estar a fazer passeios (sim passeios físicos), a trabalhar no duro, em bairros ricos nos arredores de Toronto, às 7 da manhã com zero graus e quando os paizinhos saiam com os filhos para os levar à escola já nessa altura ficava surpreendido a olhar para a quantidade de casais que eram de um homem branco e uma esposa asiática.

Claro que eu sei que a esmagadora maioria das pessoas mantém preferências românticas por pessoas da sua própria raça, mas também sei, porque interessado em etnogéneses e em arqeo-genética que todos nós somos o resultado de uma combinação destas, de pessoas que em determinada altura eram de raças diferentes.
E nessas combinações, alguém ganhou e alguém perdeu. Desta vez não será diferente.

A distância, o fst genético, entre um WHG (western Hunter gatherer) e um EEF (agricultor do neolítico) era similar à que existe entre um homem branco e uma mulher asiática. A distância entre os agricultores do neolítico de anatólia e o agricultor do neolítico do Irão, ali até Nagorno karabah e com toda a sua genética de CHG (Caucasus HG)  que viveram milhares de anos perto um dos outros era tão grande como um homem branco e uma mulher asiática. – E arqueologicamente, com o apogeu do aquecimento global do neolítico quando olhamos de novo já estão miscigenados.  Ou seja, todos nós somos o resultado de miscigenação. Desta vez não será diferente. E desta vez é, com o presente aquecimento global, novamente altura de grande alteração etno-cultural e grandes alterações sociais.

Mas como das outras vezes todas alguém ganha e alguém perde.  No passado linhagens inteiras de cromossomas Y foram dizimadas e sobrou os vencedores, os homens vencedores desse encontro entre raças diferentes, desse encontro que foram imigrações. No caso da europa os tais R1b, na verdade o R1b…L51, que foi um homem que viveu arqueologicamente ontem (3500-3300BC, não mais que isso) é ele, ele um homem, o pai ancestral de 80% dos Europeus!  Percorra o mundo inteiro e aconteceu o mesmo por todo o lado.

Ao final do dia, ao contrário dos conteúdos hoje produzidos, o futuro homem com elevado capital social será muito provavelmente essa combinação de asiáticos com europeus e preferencialmente irá ser essa componente europeia a entrar no gene pool na asia e o mesmo no ocidente com a preferência por mulheres asiáticas.  
Quem perde, e interessante o estudo brasileiro, país onde a miscigenação decorre há mais tempo, e que nos mostra que a mulher negra é quem vai perder mais que todos os outros grupos como já hoje em dia ocorre no Brasil. Ao final do dia, mesmo com o esforço que a woke culture coloca em criar uma realidade alternativa, este será um grupo que será perdedor nestas revoluções do futuro.
Aliás, curioso a perspectiva de pessoas como Eric Kaufmann que nos diz que essas pessoas provavelmente se identificarão como brancos, como acontece com ele próprio que tendo ascendência alemã, judaica e chinesa se identifica como branco. Uma coisa que ainda estou por perceber é que os casos que encontro de casais bi-raciais Europeus/Asiáticos os descendentes mantém por norma muitas caracteristicas, uma predominância, Europeioide. Como o caso do próprio Kaufmann.

… ou não. Nestas coisa não é de todo fácil de identificar caminhos. Nada fácil.  A não ser a certeza que haverá vencedores e haverá perdedores. Isso, caros, podem levar para o banco e eu se depender de mim, fuck that, os meus filhos branquelas é que não vão ser dos perdedores.

Autoria e outros dados (tags, etc)


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D


Links

Blogs