Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Ser Kuban

por Olympus Mons, em 29.01.22

Bom dia de reflexão.
Vou desanuviar de questões políticas.

Capture kuban girl.PNG

Esta imagem, deste vídeo, com este link, https://www.youtube.com/watch?v=zw8jyWS2Fjw&t=37s é quase irrelevante para este post.

Fui dar a este vídeo do youtube e achei piada ouvir esta miúda russa a dizer que é de Kuban region junto ao mar Negro, ao Black sea, e isso trouxe um inundar de pensamentos que achei piada visto para qualquer outra pessoa isso não terá grande para não dizer nenhum significado. -  Quando muito para o comum dos leitores poderá lembrar que esta será umas das regiões no sul da Rússia que será impactada caso a Rússia ataque a Ucrânia, ou se lembre de Krasnodar e como jogou com o FC Porto e depois, penso que no ano passado, com o SL Benfica.

Para mim, toda a aquela região é mágica.
Quem estiver a ler isto e não quiser saber para nada de arqueologia e genética pode parar de ler, porque vai ser boring.

Como contexto. Ainda há dias numa discussão na minha outra vida (o maluco dos Shulaveri-Shomu) me atiravam à cara que eu me devia juntar a David Reich porque ele também acha que a etnogéneses dos Yamanaya e por arrasto de todos nós tem ligações à Arménia. Uma forma de me irritar, porque eu não defendo a Armenian Hypothesis que no detalhe, porque a hipótese Armenian é temporalmente muito depois e não tem nada a ver com a minha Shulaverian Hypothesis que é centrada na Georgia (acima da arménia) pese embora os sites (dos) mais antigos dos Shulaveri-Shomu seja na Arménia em Aratashen.  Para ser sincero, sempre que alguém junta o meu nome ao do David Reich, pese embora eu discorde dele em muita coisa, é um orgulho. Pelos timings e se no futuro se vier a confirmar que a o CHG das estepes da Ucrânia veio dos Shulaveri no sul do Cáucaso significa que na generalidade a minha hipótese estará vingada.

Na minha diatribe (desde 2015, em perspetiva haveria muito que teria alterado), no meu ranting, sobre toda a história das etnogéneses, eu explico como os Shulaverian (que não sabemos ainda o ADN) quando desapareceram, inexplicavelmente, deixaram um mistério mas podemos no entanto encontrar os seus passos precisamente no Kuban river, que dá nome á região da Rússia onde vive a miúda do vídeo.
O desaparecimento dos Shulaveri foi rápido e em cataclísmico. Mas podemos encontrar registros que eu considero ser os resquícios dos mesmos a fugir junto ao Mar Negro, por ali onde mora a miúda, conseguiram subir o rio Kuban e parar em sítios como Svobodnoe e  Mesokho sítios arqueológicos que podem ter sido pedras angulares nesse caminho para as estepes onde encontraram pessoas que eram cheios de ADN EHG e assim, na combinação dos dois, nasce a genética Yamanya que depois invadiu a europa e que hoje faz parte do nosso admix genético. E as pessoas não tem a perceção correta do que isso significa.
Por exemplo a nossa ideia que Deus vive no céu, que os deuses estão lá em cima, ou os montes olimpos que são coisas muito antigas porque derivam do proto indo-europeu, da língua PIE, e isso advém do facto, pela perspetiva de um Shulaveri o sol nasce, rebentando sobre os montes da cordilheira. Eles viviam nos sopés e era um explodir de luz sobre os cumes que os dominavam. Como estão a ver, ainda hoje todos os povos indo-europeus mantém essa imagística, certo?

E escrevo isto porque esta região possuiu muita genética EHG e não estando a dizer (porque é muito cedo para isso) que os branquelas loirinhos de olhos azuis vieram dessa genética EHG, até porque os Yamnaya eram no essencial de olhos escuros e cabelo preto e tinham uma componente EHG. Aliás já se sequenciou EHG que eram assim como os Yamanya e EHG que eram branquelas, loiros e de olhos azuis.
Isto lembra-nos que os Europeus, porque sempre tiveram fenótipos autossomais muito variados, com as mesmas tribos com pessoal loiro e olhos azuis e de cabelo preto e olhos castanhos e todas as combinações possíveis dos acima, são até prova em contrário as etnicidades mais tolerantes para com pessoas de raças diferentes. Por outro lado, visto que entre russos e ucranianos nenhuma diferença genética verdadeiramente existirá também nos mostra que isso não será impedimento de andar à cacetada sempre que a oportunidade de proporcionar.

PS: para quem quiser perceber in a nutshell o que é a shulaverian hypothesis.
https://shulaverianhypothesis.blogs.sapo.pt

 

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D


Links

Blogs