Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



traição a Locke

por Olympus Mons, em 17.04.22

Uma das formas politicamente ofensivas que hoje em dia assistimos é o chamar populistas como forma de denegrir uma determinada pessoa política. O perigo dos populistas no passado era que minavam as elites no seu trabalho. E isso era mau, porque a função das elites era proteger o seu povo (em conceito). Mas… e quando as elites já não estão a realizar esse trabalho o populismo continua a ser mau?

Quando os populistas te dizem que as tuas elites te estão a tramar, nada mais afirmam do que aquilo que é sempre um risco e passível de acontecer nas sociedades funcionais. E funcionais podem ser democracias ou as ditaduras. Ao final do dia, se não houver competição entre as elites, como nas empresas, o cartel surge e tu és mexilhão. E as pessoas, mesmo as elites, não fazem por mal, meramente é o resultado de uma função que retorna sempre o interesse pessoal. É válido para eles é válido para ti! – Não tenhas ilusões.

A novidade das democracias liberais modernas é, como bem nos diz o maléfico Alexndr Dugin, que juntaram a palavra modernidade à frase sagrada (Liberal Democracy), ou por vezes descaradamente a palavra progressista, e com isso assim que te insurges contra a “modernidade” eles fazem uma falsa equivalência com afronta ao conceito de Democracia Liberal.

É curiosa a roda do tempo, visto que as democracias liberais existem só e unicamente pelo esforço e sangue da direita ocidental e conservadora que tanto combateu no século passado as forças da simpatia progressista do comunismo. No entanto, algumas décadas depois curiosamente eles ganham a guerra.
Devia ficar a tal lição nunca aprendida – Quando ganhas, esmaga!
Uma lição que só a esquerda conhece.

Enfim, democracia é nada mais que o “governo do povo”, e liberal é somente dizer que a legitimidade do “governo do povo” emana meramente de um facto inalterável da natureza: Igualdade Humana!

A Democracia Liberal MODERNA, lo and behold, motherfuckers, é a negação, ou se quiser a suplantação desse conceito da igualdade humana e a afirmação que a contenção do povo (ou da manifestação da maioria), notem contenção não do governo mas do povo, emana de privilégios e direitos especiais de algumas das pessoas dessa sociedade, diluindo o poder da maioria das pessoas dessa sociedade em detrimento de uma elite (minoria) que sabe melhor e é mais progressista, demonstrando o seu poder ao eleger que grupos ou identidades terão direitos especiais nas sociedades tal como comunidade LGBT ou ciganos, ou imigrantes, indo a extremos de todo a gente ter direitos expeciais menos a representação genético-cultural dessa tal maioria. – Aqui, neste ponto, o povo já perdeu. Foste!

 Ou seja, os comunas e esquerdoides ganharam!

Oiçam, tudo se organiza assim! O povo, usualmente burro (vá, pouco iluminado ou distraído), escolhe ou escolhia tradicionalmente no passado as suas elites com um instinto bastante esperto, elites essas que são supostos pôr os políticos na ordem (de onde usualmente emergem e por isso falavam mano a mano). Pronto isto é política 101.  - Mas isto funciona porque as elites sabiam que se não representassem bem o povo, este teria o poder de os remover. Só serias elite com o apoio do povo. Esta era a regra sagrada.  

A traição ao povo é que 3 séculos de implementação em virtude das democracias liberais de Platão a Locke, foram deitados ao lixo por uma elite urbana, posh, virtualizada nos seus perfis de social media que sabe, eles sabem, que só existe uma maneira de fugir à fúria futura do povo que é descaracterizar totalmente os povos onde se inserem, permitindo a diluição da sua identidade através da imigração e, por outro lado, (este truque é importante) deixando que os políticos interajam diretamente com o povo nas suas oferta de demagogia, que como sabemos basta dar bolos para enganar tolos. O papel das elites do povo é proteger o povo dos bolos para tolos que é muito fácil dar. Enganar o povo é sempre assim fácil!
 
Populista, hoje em dia ofensa, é meramente aquelas pessoas que te alertam que as democracias liberais, da governação da maioria em sociedades de pesos e contrapesos, estão a ser traídas pelas elites que abraçaram a MODERNIDADE como padrão, como planta na construção das sociedades do futuro.

Populista no século XXI é o amigo que te avisa! - Democracias Liberais, sabemos o que é e gostamos…. Mas que é mesmo essa MODERNIDADE?

Autoria e outros dados (tags, etc)


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D


Links

Blogs