Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Vergonha alheia, realidade alheada

por Olympus Mons, em 15.02.22

Eu não me conformo.
Isto no seguimento do post anterior, porque não consigo digerir o trabalhinho do Bernadinho do polígrafo.

Em variadas outras áreas ao longo dos últimos 20 anos tenho assistido a todo o tipo de destruição do que era ciência tão mais saliente quanto mais essa ciência se alinhou com a política. Como dizia o outro, junta ciência e política, chocalha e no fim fica… política. Digo eu, junta ciência com ideologia, chocalha e no fim fica …. vergonha!
Aliás vergonha alheia é o que sinto ao ler as declarações de Luísa Pereira. Ou do outro senhor que nem me vou dar ao trabalho de ver para aqui reproduzir outra vez.

Estava a ler um paper de guo et al de 2020 e entre as imagens do paper está este heatmap com o fst fixation index que mede a distância genética entre populações. Aliás o paper é para mostrar que com um número incrivelmente pequeno de SNPs do ADN o programa deles consegue descobrir a ancestralidade de um criminoso.

Capture heatmap.PNG

Esta imagem acima, vale a pena ver com atenção.
Se os peritos, os cientistas que o poligrafo pediu para comentar as declarações tivessem razão esta imagem não existiria!

Reparem a imagem são 4 colunas e 4 linhas. No topo tem umas cores que significam os continentes. Amarelo asiáticos do este, vermelho Africanos, Azul Europeus, e verde indianos (subcontinente com punjabs, paquistaneses etc).

E como podem ver, um programa informático agarra em genomas de pessoas reais do 1000 genome project e coloca-os, arruma-os por continente! A mancha azul mais escura na diagonal mostra que a coluna dos amarelos alinha com a linha dos Amarelos a coluna azul alinha com a linha azul e restantes grupos populacionais. Se Caucasianos não existisse, se europeus não existisse, se fossemos de todo o lado então não haveria esse alinhamento de colunas com linhas, não era?

Um programa informático sabe instantaneamente e sem falhas a que continente aquela pessoa pertence, mais curioso ainda a atribui a que grupo populacional inclusive ele pertence - Foram buscar Africanos, de várias áreas, mas também Afro-americanos do sudeste dos EUA e o programa sabe quem é quem.  Ou que o programa sabe que as pessoas do CEU (Utah residents with Northern and Western European ancestry) lá no meio dos EUA são europeus e não se distinguem dos Europeus da Europa, dos caucasianos da Europa!
Que esta gente ache que o futuro deva ser como os negros norte-americanos (ASW) que em média possuem mais de 30% de genes europeus, daí que apareçam a azul (clarinho) no heatmap é uma questão de crença pessoal e que obviamente podem e devem defender as suas visões de futuro. Mas uma coisa diferente é negar aquilo que é uma realidade aos dias de hoje e especialmente negar a discussão sobre esse futuro se é o futuro que as pessoas realmente desejam. Aliás primeiro podem ir perguntar aos chineses se eles acham bem que as suas etnias se extingam.  

Se a Dra Luísa Pereira tivesse correta esta imagem acima não existiria e os azuis estariam por todo o lado na imagem e não concentrados no seu continente como de facto acontece. E bem alinhadinhos estão genéticamente as pessoas.
E não se iludam com os números.  - 1 é a distância de um humano para um chimpanzé! Logo 0,? Alguma coisa indica que estamos a falar de populações há demasiado tempo separados para criar uma quantidade enorme de polimorfismos, SNP e alelos, e essas… mutações, é aquilo que também é usado para se perceber se aquela população é lactose intolerante ou não, se é loira ou morena, etc.

Esse isolamento cria pessoas não só com genética diferente como muitas outras coisas que hoje em dia não sabemos. E essas diferenças devem ser interpretadas como força da espécie humana e não fingir, e mais grave, proibir inclusive qualquer referência a essas diferenças. Fingir realidade nunca resultou e não irá resultar nunca.

Fst.
“The fixation index (FST) is a measure of population differentiation due to genetic structure. It is frequently estimated from genetic polymorphism data, such as single-nucleotide polymorphisms (SNP) or microsatellites. Developed as a special case of Wright's F-statistics, it is one of the most commonly used statistics in population genetics.”

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D


Links

Blogs